terça-feira, 16 de agosto de 2011

Paralelos II

Há casos de sucesso em que o Capitalismo Selvagem não estuprou alguma tradição?

"A burguesia despojou de sua auréola toda a ocupação até então considerada honrada e encarada com respeito. Converteu o médico, o jurista, o padre, o poeta, o homem de ciência em trabalhadores assalariados. A burguesia rasgou o véu sentimental da família, reduzindo as relações familiares a meras relações monetárias." (Marx e Engels)

Qual melhor explicação para a extinção do "Amor à Camisa", do vai-vem de jogadores, do Torcedor-Consumidor, do Jogador-Commoditie, e do Dirigente Mercador?

Sim, o Capitalismo chegou com tudo ao Futebol, e encontrou nele terreno fecundo para suas extrações à golpe de martelo de mais-valia. Chegou para ficar? Depende de nós, que estamos sendo roubados!

A resposta tem que ser NÃO!

Como "vender" na Economia de Mercado a idéia de resistência popular, de confronto com as Elites do Futebol, de construção de uma entidade feita a partir do povo trabalhador e lutador, e para ele?

É possível o Sistema de Mercado mercantilizar o anti-mercantilismo?

Essa é a pré-história em que vivemos! E faz parte dela aquela direção de torcida que leva sua massa ás derrotas, ao custo das migalhas que caem da mesa.

É contraditório! A ilustração disso é a bizarra Geladeira de Fiel, pela bagatela de 20 salários mínimos, para uma torcida que é Fiel e Popular. O Corinthians, aquele Corinthians, da tradição Corinthiana, iria rivalizar com este aqui.

É CORINTHIANS contra corinthian$

Olhando o preço dos ingressos, apenas como exemplo, é como se nós hoje fumássemos charutos e estivéssemos bem vestidos e alinhados com nossas charretes fora do estádio, com chofer, nos esperando após o jogo, para nos levar para outras atividades, como um chá na casa de uma madane herdeira de industria, que edificou sua riquesa às custas de muitas vidas. Sendo que o Corinthiano nasceu puxando a carroça. Essa é a Era das Cavernas, que nós iremos superar.

Nós temos de ser a Cara Feia, o "Galo Brigador da Várzea", e não o Campeão do Capitalismo da Revista Exame.

A torcida é espelho da sociedade: pode ser manipulada, mas um dia ela se organiza, vai às ruas e derruba vagabundo. Disputemos, então, estas consciências carentes de caminho, porque ação tem todos os dias, e esta luta é eterna.

Vamos, Corinthians!

3 comentários:

  1. Caramba!!! Recentemente tornei-ne corinthiana!Um vir- a -ser interessante, uma paixão pelo futebol e pela brasilidade que eu mesma desconhecia, mas já estava ali potencialmente.Quando vi a torcida , me comovi.Vasculhei sites e esse foi, sem dúvidas, o melhor que pude degustar.Além disso, fiz Letrase o conteúdo me é caro.Putz..Corinthians e Shakespeare! Parabéns um milhao de vezes! Meu contato: eplinguista@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Seja muito bem-vinda a Torcida do Corinthians! Você está em casa. É de paixão e voluntarismo assim como o seu de que somos formados. E obrigado pelas palavras ao Blog. Seja sempre bem-vinda aqui também. #VaiCorinthians!

    ResponderExcluir
  3. Caro colega, acompanho muitas das suas publicações nesse blog, das publicações do Silvinho e do Filipe. Concordo com praticamente tudo o que é exposto, inclusive com o que você descorre nesse texto.

    Creio que capitalizar o futebol de forma exacerbada não é o melhor caminho a se trilhar.
    Conheço e tenho orgulho das raízes Corinthianas, de labuta, suor, sentimento, humildade. Mas sendo o Corinthians um clube imenso, que conquistou torcedores em todas as áreas sócio-econômicas do país, não lhe parece correto que também existam produtos para os abastados financeiramente???

    Não estou dizendo que deva ser a regra, isso nunca, mas a ideologia Corinthiana não é a de acolher a todos??

    Grande Abraço!!!!

    Vai Corinthians!!!!!

    ResponderExcluir