quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Corinthians Campeão Brasileiro de 1990


O relato a seguir é de Uilson Souza, que espontaneamente, na passagem entre os dias 15 e 16 de Dezembro, revirou suas memórias e as disponibilizou via Twitter.

Este blog o capta e registra em suas páginas. Boa leitura.

16 de Dezembro de 1990: Corinthians Campeão Brasileiro 

Ronaldo, Giba, Marcelo, Guinei e Jacenir, Márcio, Tupãzinho e Neto, Fabinho, Wilson Mano e Mauro;

Operários Corinthianos que levaram o Corinthians a um novo patamar!

Dia 16/12, aos 9 minutos do segundo tempo, Pedro Francisco Garcia marcava o gol do título em cima do SP;

Naquele ano começamos muito mal o campeonato...derrotas para Grêmio e Cruzeiro por 3 a 0 no Olímpico e 0 a 1 no Morumbi;

Depois empatamos em 0 a 0 com o Vitória na Bahia;

Vencemos o Porco por 2 a 1;

Vencemos o Flamengo no maracanã com gols de Valmir e Tupãzinho...Renato Gaúcho descontou para o urubu;

Um jogo memorável contra o Atlético-MG em Minas...vencemos por 3 a 1 com gols de Giba, Neto (golaço de Falta) e Mauro;

Vencemos o Santos no Pacaembúu por 1 a 0 com gol de um menino que acabara de chegar...Dinei;

Teve o jogo onde a fiel foi apresentada a um grande ídolo e homem...Ezequiel...Corinthians 1 x 0 Náutico - golaço de falta de Neto; 

Uma vitória dramática em cima do Flumilixo por 1 a 0 - gol de Antonio Carlos (que veio no pacote do São Bento com Guinei e Tupãzinho); Engraçado o futebol...Guinei era o alvo. Fez um excelente Paulista em 1989 pelo time de Sorocaba.

Antonio Carlos e Tupãzinho vieram de contra-peso...Antonio Carlos foi aquele que não vingou. Guinei se queimou em 1991, quando já estava marcado pelo péssimo jogo em La Bombonera contra o Boca...no jogo de volta pensou ser capaz de driblar Gabriel Batistuta...aí, no fim das contas, o Morumbi com 90.000 Corinthianos viu a vaga ir por água abaixo...mas, isso é outra história. 

Neste jogo Ronaldo pegou penalti e disse: "Hoje marquei um gol para o Corinthians"; 

Alguns percalços rondaram a campanha de 1990:

Derrotas bobas para o Goiás por 3 a 1 com show de Josué, Jorge Batata e Túlio...além de Luvanor...Wilson Mano fez o gol e honra;

Um empate de 0 a 0 com o Vasco onde Dinei perdeu um gol feito debaixo da linha do gol...a bola passou por entre suas pernas;

Um empate besta diante do Bragantino...vencíamos por 2 a 0, cedemos o empate..e quase perdemos..Silvio e João Santos infernizaram nossa zaga;

Perdemos por 1 a 0 para o Botafogo no Caio Martins com gol marcado aos 38 do segundo tempo...matando o Timão...

A derrota para o Inter por 3 a 0 no Pacaembúu foi um balde de água fria..naquele dia Paulinho Criciúma ex-botafogo detonou...não jogamos nada;

Com essa derrota estaríamos fora...mas, a Portuguesa venceu o Goiás por 2 a 0 e nos classificamos pelo saldo de gols;

O Corinthians estava na fase final...meio combalido pelos últimos jogos, mas, um novo ânimo tomou conta do time;

Atlético-MG, Corinthians, Grêmio, Palmeiras, Bahia, Bragantino, São Paulo e Santos iriam brigar pelo título;

Grêmio passou pelo porco, o bambi passou pelo s4n7os e o bahia deixou o bragantino no chão...

Pegamos o Atlético-Mg aqui no Pacaembú lotado...entramos com outro espírito...bem diferente daquele que reinava no time na primeira fase;

Era outro Corinthians...era outra pegada...era o Corinthians avassalador...saímos perdendo com gol do finado Gerson (Galo, Inter e seleção);

Mas viramos com dois gols dele Neto...sendo um de cabeça...algo raro para ele;

No segundo jogo em BH, o 0 a 0 não refletiu a superioridade Corinthiana...que poderia ter vencido. Enfim, a semi nos aguardava;

Enfrentaríamos o Bahia nas semi-finais;

O primeiro jogo contra os baianos foi num Pacaembú com 60.000 pessoas...publico jamais visto na nossa casa;

Saímos perdendo por 1 a 0 - gol de falta do ex-Corinthiano Vagner Basílio...campeão brasileiro de 1986 pelo bambi;

Empatamos com um gol contra do volante Paulo Rodrigues;

No segundo tempo, Neto fez um gol de falta que originou uma verdadeira explosão humana no estádio do Pacaembú...

Chico era o goleiro do Bahia...esse cara pegou tudo o que pode...mas, cobranças de falta de Neto eram praticamente indefensáveis;

O segundo jogo na Bahia foi regado a muito trabalho de vudú e a fonte nova lotada...tudo contra nós...

Mas aquele foi o dia de Guinei, Jacenir, Marcelo e Giba..alem de Ronaldo...a muralha da fiel!

O 0 a 0 nos colocava pela segunda vez, na nossa história, numa final de brasileiro...tinha que ter um final diferente da roubalheira de 1976;

O time do Bahia...mesmo sem Bobô, que tinha ido para o Flamengo, era um time de respeito;

Naldinho, Zé Carlos, Paulo Rodrigues, Vagner Basílio, Charles (o anjo 45, artilheiro do campeonato de 1990)...entre outros;

Mas, para aqueles operários Corinthianos, nada seria barreira...a força das arquibancadas levariam Neto e seus companheiros longe;

A semana anterior à final foi marcada pela arrogância de Telê Santana e seus comandados...além da pequena torcida bambi;

Para chegar a final, o bambi, venceu o Santos nas quartas (1 a 0 na vila e 1 a 1 no panetone), Gremio (2 a 0 no panetone e 0 a 1 fora);

Tinham Zetti, Cafú, Antonio carlos, Ivan, Eliel, Leonardo, Bernardo entre outros;

No primeiro jogo...logo no começo...Neto cobra falta e Wilson Mano de canela faz o gol da vitória...

Neste jogo...apesar das chances são paulinas, poderíamos ter vencido com 4 ou 5 gols...mas, alguma coisa é fácil para o Corinthians?

Ainda me lembro do são-paulino que veio me cumprimentar pelo "vice-campeonato";

Falei a ele que já tínhamos ganho o primeiro jogo...não ia ser fácil assim..mas, a prepotência tricolor já vinha de muitos anos;

No segundo jogo, os operários Corinthianos entraram acuados, assustados pela pressão tricolor...seguramos o 0 a 0 no primeiro tempo;

No intervalo, Nelsinho (então técnico alvinegro) entrou revoltado no vestiário...deu uma voadora em uma lousa;

Perguntou se queriam entregar o campeonato...

Como aquela não era a vontade dos operários Corinthianos, voltaram para o segundo tempo com outra pegada...

Perto dos 9 do segundo tempo, Neto rouba a bola no meio campo, toca para Fabinho que tabela com Tupãzinho;

Fabinho finta Bernardo, e toca na área para Tupãzinho...ele passa a bola por entre as pernas de Ivan..

Toca para o meio, onde Fabinho iria fazer o gol;

A bola sai mascada, pois o chute fora dividido entre Fabinho e Cafú...

A pelota sobrou para Tupãzinho...debaixo da linha do gol...ele não pensou duas vezes, foi de carrinho com bola e tudo pra dentro do gol;

Um êxtase tomou conta dos mais de 80.000 alvinegros nas arquibancadas;

Este que vos twitta, foi tomado por uma emoção tal que, até hoje, não consegue explicar...vindo muitas vezes até as lágrimas...como agora;

A torcida modinha bambi foi deixando as dependências da sua própria casa...e a fiel foi tomando conta,

O Morumbi virou o Pacaembúu do jogo contra o Bahia...

Um único som ecoava das arquibancadas e contagiava até os 11 jogadores sao paulinos que estavam hipnotizados pela magia alvinegra;

Nada poderiam fazer...o título já estava nas mãos dos operários Corinthianos;

A Fiel ditava o ritmo...Wilson Mano, expulso, junto com Flávio ou Bernardo (não lembro), saiu do vestiário com uma bandeira alvinegra...

Virou o maestro da massa naquele momento;

Incendiou os corações alvinegros ali presentes...

Nesta hora eu me encaminhava para a parte inferior do estádio...aguardando o apito final....era minha chance de invadir o campo...

O São Paulo?? apenas suava em campo e servia como um coadjuvante para nossa conquista;

O Corinthians?? flutuava em campo e aguardava o apito final para levar a taça que já deveria ter levado em 76;

Com o Maestro Wilson Mano regendo a fiel...o juiz apita o fim do jogo;

Invadi o campo, com o rosto molhado por suor e lágrimas e fiquei alguns segundos olhando o placar eletrônico; 

Corinthians campeão Brasileiro 1990!!! 

Meu êxtase Corinthiano se concretizava ali...

Marcelo chorava e apontava a fiel como grande merecedor do título..."esse título é deles...é deles...é pra eles"

A taça era nossa...a volta olímpica enfim era dada...o Brasil tinha o campeão que merecia;

Collor, Cruzado e Cruzeiro, plano de Zélia Cardoso de Mello...o que era isso tudo em face ao campeão do campeões!?

Jacenir desabafa..."um time como o nosso não é timinho...é Timão";

A mídia abutre nos qualificava como um timinho...que só tinha em Neto sua esperança; 

Ledo engano...além de Neto, tinhamos Tupãzinho, Jacenir, Guinei, Ezequiel, Paulo Sérgio, Mauro, Ronaldo, Giba, Marcelo, entre outros; 

Os operários Corinthianos levavam o título...a elite sao paulina se calou e se apequenou diante do clube do povo; 

Márcio Bitencourt (injustiçado em 2005), além da taça, carregava sangue em sua camisa, mostrando que, naquele time de operários tínhamos sangue, suor e lágrimas. O sangue da fiel torcida, que em toda a temporada, fora o 12º. Jogador.

Fica aqui minha pequena homenagem ao time de 1990, em especial a Jairo, que fazia parte do time e faleceu em acidente de carro a pouco tempo. Volante forte e eficiente. Não era craque, mas, nos passava segurança. Estará eternamente em nossos corações!

Meus respeitos a memória de Sérgio Gil, também parte do elenco. Foi negociado com o Inter-RS no começo do ano e a caminho do Sul sofreu um aciente fatal. Seria reintegrado ao elenco, mas, Deus tinha outros planos para sua alma. Márcio lembrou dele na comemoração...ainda no gramado!

Salve o Corinthians! Campeão Brasileiro de 1990! Salve o dia 16 de dezembro de 1990. Pode até não ser feriado, mas trabalharei com um orgulho e tanto no peito.

Meu título mais querido...

Enquanto eu viver, ele será lembrado e homenageado!

Viva os Operários Corinthianos de 1990! 

Viva o Povo Corinthiano!



Comentários deste blog:

A sensação que tive ontem, caro Uilson, no apagar das luzes do dia 15, era de tu estavas psicografando aquele torcedor: olhos fechados, punhos idem, meia-luz, e conforme o campeonato avançava, e com ele a psicografia, surgiam ao teu lado os rostos daqueles heróis. Arrepiei-me diversas vezes e quando dei conta eu não apenas lia, ou fisicamente acompanhava sua narração: eu estava torcendo, jogo a jogo, para um final feliz. Pareceu, Uilson, que fomos Campeões ontem, do campeonato de 20 anos atrás.

1990 é marco para questões político-econômicas. O avanço das ideologias Anlgo-Saxônicas, a Liberalização do Capital em contra-partida às restrições sociais, o fim do Estado de Bem-estar... E a classe operária re-edita a resistência e, contraditoriamente, crava no coração frio do símbolo maior do Paulistantismo decadente, vira-latamente complexado, Brasilianistas nativos conservadores, estrangeiristas cafonas, que este time que é o povo, joga como tal, e que como tal vai vencer se estiver unido e jogar com nossas cartas.

1990 ainda tem escombros.

A cada visita que fazemos a este ano eu levo respostas estusiasmantes, porém perguntas ainda mais desafiadores.

Valeu, Uilson, por compartilhar suas memórias.
 

Guilherme Carneiro Pappi

4 comentários:

  1. CORINTHIANS!!!

    PARABÉNS FAMÍLIA CORINTHIANA!!!

    ResponderExcluir
  2. Sou colecionador de musicas do Corinthians e fã do seu site, veja esse video aqui a partir do 2:50 minutos, que musica é essa? Link: www.youtube.com/watch?v=XPyL6Aj0qZI


    Obrigado e continue com esse trabalho maravilhoso

    ResponderExcluir
  3. Sr. Colecionador, tudo bem? Ainda não conhecia esta marcha. Vou pesquisar. Você pode muitas canções Corinthianas? Vamos trocar figurinhas. O acervo e cultura Corinthianas agradecem.
    Abraços,
    Guilherme.

    ResponderExcluir
  4. velho...04:50 da manhã e esse relato me levou a lágrimas. parabéns pela memória, esse time tinha um espírito realmente dos primórdios do corinthians, foi nosso primeiro título nacional, entramos no mapa por causa desses caras...o futebol era outra coisa essa época

    ResponderExcluir